Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Cinema’ Category

Adoro essa coisa de cinema cult na Augusta, salinha pequena, puro charme. Adoro esse tipo de filme, me entrego e me envolvo o quanto eu posso. E dou várias chances pro filme me conquistar. E foi assim que fui assistir Ricky, um filme dirigido por François Ozon que é um diretor francês super jovem, tem apenas 43 anos de idade.

Quando vi esse cartaz não pensei o quanto sairia surpreendida do cinema. Aliás, foi assim que me senti durante a primeira meia hora de filme.

O meu lado “wanna be cult” não é tão tolerante assim. Não sou tão simples de prender a atenção e nem mesmo consigo ver significado em qualquer borrão que olho. Mas dei umas três chances para esse filme me conquistar. E valeu muito a pena!’

É um tanto estranho porque começa tão realista, daquele tipo de filme sem nenhum cenário bonito ou ator produzido, e de repente dá uma virada lunática. Aí eu torci o nariz, mas achei tão curioso que resolvi ficar pra ver qual seria o final daquilo. E foi incrível embarcar na surpresa e pegar o ticket da viagem oferecida pelo diretor e imaginar.

Pra mim o filme é uma metáfora. E foi bom demais contar a mensagem que veio pra mim. Pena que não posso dizer aqui senão perde a graça.

Eu assisti no Espaço Unibanco Augusta e Anexo (Sala 5).

Read Full Post »

Em um final de semana em SP fui convidada por uma amiga a ir em um cinema “descolado” ali na Rua Augusta e, apesar de ter morado muito tempo por ali, ainda não conhecia o cinema. Já adorei o lugar, as pessoas… Fica no Espaço Unibanco, tem uma livraria, um café, bem bacana! O filme escolhido foi o premiado “Cópia Fiel”, com a francesa Juliette Binoche (aquela que ganhou o Oscar por “O Paciente Inglês” em 1997) como Melhor atriz no Festival de Cannes 2010 e o cantor lírico britânico William Shimell, estreando no cinema, dirigido pelo iraniano Abbas Kiarostami e filmado em belíssimos cenários da Toscana.

É um daqueles filmes intrigantes, que no final você não sabe se entendeu ou não. Eu adorei. E a vontade de escrever esse post pra vocês surgiu de um comentário de um amigo no facebook que dizia assim: “Uma francesa descabelada, sem maquiagem (ok, 1 leve batom), de sapatinho tipo sapatilha, caminhando nas ruas de Arezzo (Toscana) é 300x mais elegante que qq americana. hhehehe” Concordo com tudo!!!

Vou colocar aqui uma crítica que eu adorei sobre o filme:

Mundo da arte
Além da natureza instável do amor, ‘Cópia fiel’ toca outros temas – o primeiro deles, o que dá nome à obra, em torno da importância da discussão sobre o que é autêntico ou falsificado, e o valor, relativo ou absoluto, das muitas cópias encontradas no mundo da arte.

Nesta discussão, é envolvido inclusive um casal de passagem, (o famoso roteirista Jean-Claude Carrière e Agathe Natanson). Justamente quando procura engajá-los a favor de seus argumentos, a protagonista encontra no passante ocasional um intérprete ideal do que está, emocionalmente, tentando dizer a Miller – sem que este a entenda, independentemente da língua que ela fale.

Essas várias línguas que se sobrepõem são o símbolo vivo das várias camadas de incompreensão que podem se acumular entre as pessoas nesta Babel que não é só linguística, mas sobretudo emocional e amorosa. Os vários casais que aparecem no filme – os jovens noivos apaixonados que se sucedem para uma foto junto a uma estátua tida como portadora de sorte; o par maduro que conduz o filme; e uma dupla de velhinhos que eles encontram perto do final – todos se somam como retratos dos vários tempos do amor.

Essa maneira circular de expor seu tema é o grande segredo da magia do filme, que demonstra o engenho raro de sua direção e de sua dupla principal de atores, conduzindo-se esta espiral de sensações com inteligência e sutileza exemplares. Não é o tipo do filme que se vê todos os dias. Mas é certamente o tipo que se deseja imediatamente rever.

(Por Neusa Barbosa, do Cineweb)

Ela está maravilhosa! Só faltou um detalhe, o vestido que ela passa o filme todo, um Lanvin, impediu a exibição do filme no Irã.

Outra curiosidade também, foi que  ao agradecer o prêmio no Palácio dos Festivais, a francesa exibiu um papel com o nome do diretor iraniano Jafar Panahi, que estava preso há mais de um mês, acusado de ter preparado um filme sobre as manifestações posteriores à controversa reeleição do presidente Mahmud Ahmadinejad em 2009. Panahi foi liberado na terça-feira sob fiança, 48 horas depois do encerramento do Festival de Cannes, para o qual havia sido convidado a integrar o júri.

Eu recomendo.

 

Read Full Post »

 

Wannabes, eu AMEI ! Vale a pena assistir esse filme mexicano – podem acreditar.

Fiquei encantada com a personagem Catalina (Ana Claudia Talancón), uma mulher forte, com personalidade, inteligencia, sensualidade e beleza que viveu no México, na década de 30, em meio a política, corrupção, machismo e amor . Deixando qualquer heroína atual com uma baita dor de cotovelo.

O filme é adaptação de Roberto Sneider da obra feminista e revolucionária de Angeles Mastretta, uma mulher de 60 anos que nasceu em Puebla, a cidade que serve de pano-de-fundo para parte desta história.

Catalina e Carlos

Apesar de estar aqui me segurando para não contar a história, deixo claro que fiquei apaixonada por Carlos! ahahaha…

Espero que gostem!

Read Full Post »

Carrie on!!!

Acabei de ver Sex and the City 2! Estou chocada! O filme é IN-CRÍ-VEL!!!

Não pelas roupas – odeio a maioria dos looks – mas pelas quatro… Elas estão engraçadíssimas! E apesar de toda a sacanagem, o filme passa uma mensagem muito bacana sobre amizade.

Que Alice o quê?!

O Tim Burton tem seus méritos…

…mas eu estou preferindo a Samantha.

Read Full Post »

Ahhh… Vi hoje o trailler do filme Sex And The City 2 e já estou ansiosíssima pra assistir! As divas nos Emirates, com direito a camelo e tudo!!! Claro que vou dividir isso com vocês!

Read Full Post »